sábado, 27 de dezembro de 2014

O que são sonhos?

O que são sonhos? 
Claro que são aquelas imagens que aparecem quando estamos dormindo e ficamos putos quando acordamos no clímax do acontecimento ou aliviados quando o sonho é ruim, ou seja, um pesadelo.
Também são aquelas gostosuras recheadas que tem nas padarias.
Porém, o que eu quero abordar são os sonhos de vida. São desejos que gostaríamos que se tornassem realidade. Isto é meio óbvio, não? 

domingo, 21 de dezembro de 2014

O último guardanapo - Fim



Depois de ter conhecido uma mulher muito agradável no almoço, Clóvis vai até o correio e posta, sem remetente, o envelope endereçado à Morgana contendo o guardanapo escrito. Ele sai do correio sem conseguir esconder o sorriso e sem deixar de pensar no almoço que foi realmente atípico.
– É! Foi divertido – pensa ele.
No dia do aniversário da Morgana, Clóvis fica esperando um telefonema de agradecimento pela mensagem escrita no guardanapo, mas nada. À noite, ao pegar o dinheiro para pagar a pizza que tinha pedido, ele vê o cartão de Lúcia e sorri.
– Se ela me deu o cartão, é para eu ligar. Quem sabe algumas palavras dela me animarão um pouco. Ela disse que o marido não é ciumento, portanto ele não vai ligar para uma nova amizade.
– Alô!
– Lúcia? É Clóvis.
– Clóvis? Ahhhhh sim, o menino romântico do guardanapo.

domingo, 14 de dezembro de 2014

O último guardanapo II



Morgana, ao passar pela portaria, recebe sua correspondência e um envelope em particular chama mais atenção do que os outros. É branco sem remetente, conteúdo macio.  Chegando ao seu apartamento, coloca tudo em cima da mesa e abre o envelope especial que continha apenas um guardanapo com os dizeres:

“Oi
Se eu tivesse um pedido, desejaria iniciar tudo de novo para corrigir os erros, perdoar e ser perdoado.
Parabéns!
Bjs.
Clóvis”

domingo, 7 de dezembro de 2014

Peregrinação da nota


Esta história aconteceu com o Carlito que é conhecido do primo da ex-namorada do noivo da tia do pai da prima da namorada do dono do cachorro que vai à pet da amiga da irmã do meu amigo, mas é baseada em fatos.
Certa vez, Carlito precisou vender um imóvel que tinha adquirido em um plano tipo consórcio.  Ele foi contemplado com o apartamento, mas o financiamento continuou ativo. Como o valor da prestação ficou alto e ele não tinha interesse em manter o apartamento, resolveu vender.
Foi difícil. Passou nove meses até que apareceu um interessado com a proposta de um carro e mais um valor em dinheiro.
Apesar de que ele estava trocando um bem por outro, a proposta era justa.  O carro em questão era mais novo do que o seu e ainda poderia vender com mais facilidade do que o apartamento. Então, aceitou.

domingo, 30 de novembro de 2014

O último guardanapo

            – Olá tudo bem?
– Oi! Pois não.
– É que o restaurante está lotado e você está aqui sozinho. Você permitiria que eu sentasse?
– Ah sim. Fique à vontade.
– Obrigada. Meu nome é Lúcia.
– Prazer, Clóvis.
– Este restaurante é tudo de bom, né? Você gosta daqui?
– É a primeira vez que venho.
– Primeira? Está perdido? – Risos

domingo, 23 de novembro de 2014

O Homem Aranha


João Finório é ágil, escorregadio e malandro. Ele consegue escalar prédios e entrar nas residências para roubar pequenos objetos, mas de grande valor como joias, dinheiro e outras coisas que pode carregar. Age de noite quando os proprietários saem de casa.
Todos já imaginam como ele atua, mas não conseguem pegá-lo e o apelidaram de Homem Aranha.
Certo dia, ele entra em um apartamento e é surpreendido por uma mulher muito sensual, linda e de um corpo escultural. Ela está apenas vestindo um lingerie transparente e sem nada por baixo. 

domingo, 16 de novembro de 2014

Flores salvas

A pedido das queridas Aline do Diário Thompson e Maria do Pétalas de Liberdade escrevi este conto inspirado na minha própria crônica Flores jogadas. Bom, saiu meio simples, curto, aguinha com açúcar, mas acho que irão gostar.


Ricardo é um cara atlético, bem apessoado daqueles que a mulherada acha um gato.
Larissa é uma mulher lindíssima. Por onde anda, todos os homens se viram para acompanhá-la e as ruas se transformam em passarelas porque ela não caminha e sim desfila.
Ambos são os mais bonitos da universidade, mas além da beleza, eles têm algo a mais em comum, a futilidade. No entanto, o mais comentado sobre eles é de que como os filhos serão lindos.

domingo, 9 de novembro de 2014

Chatos


Duvido que exista alguém que nunca se deparou com uma situação desagradável onde o principal personagem é um chato. Existem tantas modalidades de chato que poderia ser realizada as chatolimpíadas.
Vou descrever algumas situações para vocês, mas não necessariamente na ordem de prioridade de chatice, pois cada chato tem a sua importância.
O chato do trânsito é incrível. É aquele que está no fim da fila de um engarrafamento e fica buzinando que nem louco como se a vítima que está a sua frente tivesse culpa em vez do chato que está lá na frente travando todos. Não melhor é o outro que joga o carro em cima do teu forçando a entrada e logo a frente acelera para não deixá-lo entrar, mesmo que solicitado com educação. E aquele andando devagar na estrada que acelera para dificultar quando tu vais fazer a ultrapassagem. Além de chato é irresponsável. 

domingo, 2 de novembro de 2014

Flores jogadas


Certo dia do ano de 2008, cumprindo toda a rotina diária de ir ao trabalho, desci como sempre a rua onde morava para acessar a Av. Morumbi no confuso trânsito da capital paulista.
Em uma das leves paradas do trânsito, leves porque eu era um privilegiado devido ao engarrafamento no meu percurso geralmente ser menos traumatizante, eu vi uma coisa que fez com que o meu dia não começasse bem. Era um buquê de rosas atiradas no chão junto ao muro. Pelas características que o quadro mostrava não se tratava de uma oferenda e sim de um desafeto.
Inicialmente fiquei revoltado, mas depois me deu pena da pessoa que fez esta maldade com flores tão sensíveis e lindas. Não dá para dizer se o ser ínfimo que cometeu o crime foi um homem ou uma mulher.

sábado, 25 de outubro de 2014

Carta para a Presidente


Não sei se os meus leitores estão gostando dos tópicos destas últimas semanas, mas prometo que assim que as eleições esfriarem eu pararei.
A escolha da pessoa que vai governar o nosso país por quatro anos é um fato tão importante que não pode passar em branco. 
Apesar de polêmicas fazer parte do H. E. e O. P., eu ainda não abri meu voto aqui no blogue como já fiz no Facebook, porque este assunto é muito complicado. Tão pouco, eu tenho a intenção de forçar alguém a votar na mesma pessoa que eu. Entretanto, a gente não pode e nem deve se omitir. Então, resolvi compartilhar uma carta que eu gostaria que fosse lida e respondida pela Presidente Dilma e assim abrindo minha intenção de voto.

Cara Presidente Dilma.

domingo, 19 de outubro de 2014

Política, nós e eles


– Você é burro porque vai votar no "PX".
– Você é que é porque seu candidato é uma M.
– Não dá para falar com ignorante.
– Vou te tirar do meu facebook.
– Pode tirar, demorou.
– Pluft (tirou) 

domingo, 12 de outubro de 2014

Eleições, mitos e piadas


Já terminou o primeiro turno das eleições, então tá mais do que na hora de eu falar algumas coisas. Não vou fazer propaganda partidária, pelo menos não agora, pois sempre procurei separar o meu hobby, que é o Histórias, estórias e outras polêmicas de política, apesar de que alguns textos falam sobre isto, mas são sobre fatos e não candidatos. Só não sei se vou resistir até o dia 26 – risos.
É mito dizer que voto branco ou nulo conta para quem está na frente. Isto é uma grande falta de informação. Anular o voto, o mesmo serve para votar em branco, pode sim ajudar quem está ganhando e não contar como voto. Eu explico: Um candidato a presidente, governador ou prefeito de cidades com mais de 200 mil eleitores estará eleito se conseguir 50% dos votos válidos + 1. Vejam bem, é outra coisa errada dizer que ele precisa de 51%, pois tem muita diferença neste cálculo. Ele pode ser eleito no primeiro turno com 50,00000001% dos votos válidos, pois qualquer coisa maior que 50% é maioria.
Os votos válidos são compostos pela soma dos votos em candidatos de cada cargo acima citados, ou seja, votando nulo ou branco tu estás excluindo teu voto deste cálculo e diminuindo os votos válidos. Isto faz com que o candidato que está na frente precise de menos votos para chegar ao número que precisa. Aí é que ele é ajudado.
Vamos fazer um cálculo simples. É claro que com valores simbólicos em uma amostragem pequena. Então, dentro da nossa simulação vamos supor uma cidade com 1000 eleitores, a votação do quadro abaixo e que tu sejas um eleitor que tenha votado nulo.
Veja o quadro:

domingo, 5 de outubro de 2014

Hóspedes em minha casa


Já disse aqui que entre minhas horas de folga, que atualmente são muitas, eu tento me virar com afazeres diversos como utilizar sobras para construir alguma coisa como bancos. Como os meus bancos já estão prontos, eu resolvi fazer um móvel de apoio para colocar o meu gaveteiro de plástico em cima ficando a uma altura mais confortável.
E nesta semana, eu iniciei este projeto.  Após concluir, fui lavar as mãos no tanque que fica nos fundos da minha casa, eu tomei um susto. Dentro do tanque tinha um filhote de gambá.
Ele soltava gritinhos que mais parecia com o som de uma máquina de fotografia de um celular quando uma foto é tirada.
Eu o deixei lá, pois achei que estava chamando sua mãe, e fui lavar as mãos em outro lugar.
Mais tarde, eu fui dar uma espiada em meu hóspede e levei outro susto ao dar de cara com o bichinho belo e faceiro na minha churrasqueira. Aí pensei: Como que ele foi parar ali?
Eu sei que os gambás são ótimos alpinistas, mas ele é tão pequeno.
Eu tenho experiência com este mamífero em minha casa. Aqui nesta região ainda tem bastante apesar da urbanização e da ignorância do homem em matar os bichinhos. Já salvei um dos cachorros, já observei outros em cima do telhado e do muro e já tirei de dentro da piscina.

domingo, 28 de setembro de 2014

Policial, culpado ou inocente?


Hoje o assunto é mais que polêmico. As opiniões sobre estão muito divididas. Logo, haverá quem me apoie e quem me critique. Como unanimidade em casos polêmicos é uma utopia dou minha cara a tapa. E depois, não é a toa que a palavra polêmica compõe o nome do meu blogue.
Sabemos que a polícia brasileira é despreparada. E não sei quando teremos uma polícia que nos dê segurança como merecemos ter. No entanto, nem tudo que acontece é culpa deles. Existem policiais bons e ruins como em toda profissão.
Vocês podem não acreditar, mas muitas vezes a polícia tem medo. Não é fácil ser policial no Brasil, pois a população já pegou aversão e os criminosos não pensam duas vezes antes de atirar em um policial.

sábado, 20 de setembro de 2014

Farrapos Guerreiros


Foi o vinte de Setembro
O precursor da liberdade
Do muito que me lembro
A procura da verdade
Um povo bem guerreiro
Em uma impossível guerra
Mesmo sendo brasileiro
Peleou por sua terra

domingo, 14 de setembro de 2014

Arrombamento frustrado

Gonçalves é um cara pacato, da paz, mas faz aulas de “Muay Thai” para ter uma atividade física. Ele se formou em Engenharia Eletrônica e é especialista em implosões.
Há anos, ele tem uma casa de veraneio, na cidade Balneário das Pinhas, onde é muito conhecido, para curtir os fins de semana, verão e feriados prolongados.
Nos últimos anos, coisas não muito agradáveis começaram acontecer nestas praias ao final do verão. Larápios invadem as casas dos veranistas para roubar. Como os arrombamentos têm se tornado muito frequentes, Gonçalves tira uns dias de folga e vai, com sua esposa, a sua casa de lazer para providenciar um alarme, que é um recurso respeitado pelos arrombadores, pois o mesmo fica ligado a uma central da empresa responsável pela segurança. 

domingo, 7 de setembro de 2014

Eu choro em silêncio


Eu choro em silêncio.
Lágrima que não cai.
Angustia que não sai.
Amigos invisíveis,
solidões insensíveis,
O mundo não para.
A verdade não sara.
Eu choro em silêncio,
A vida insinua,
que a minha diminua.
O grito de socorro,
que eu incorro,
é grito abafado,
coração assustado.
Eu choro em silêncio,
Saudade que mata.
Infâmia bravata,
Não consigo dormir.
Nem sei aonde ir.
Lágrima que não cai.
Angustia que não sai.
Eu choro em silêncio.

PS: 
Com esta poesia eu fiquei em segundo lugar no 9ª Pena de Ouro, concurso provido pelo blogue Ostra da Poesia
A gravura é a fotografia da obra "O menino e os pássaros" realizada em 1980 pelo meu saudoso Tio Flávio, que nos deixou no mesmo ano. É um autorretrato de sua infância. 

domingo, 31 de agosto de 2014

Direito de resposta


Hoje eu estava totalmente sem inspiração, logo, para não deixar o blogue a mercê do espaço virtual, eu teria que usar um texto de minha reserva técnica. Então, a oportunidade bateu a minha porta.
Eu acho que escrever sobre racismo já me esgotou, não que este tema tenha que ser esquecido, muito pelo contrário, mas sim porque eu já fiz três crônicas sobre fatos e um conto abordando o tema, e isto pode cansar os leitores, e ainda, mesmo a discriminação racial sendo uma coisa nojenta, acho que escrever sobre isto toda hora faz com que  as pessoas parem de dar valor.
Só que, os acontecimentos relacionados com o goleiro Aranha do Santos no jogo da copa do Brasil nesta semana, está causando um rebuliço, nas redes sociais, por causa de mais uma torcedora inconsequente que chamou o atleta de macaco.

domingo, 24 de agosto de 2014

No píer


No píer, sentada
na noite estrelada
sob a água serena do mar
ela fez me apaixonar.

O vento generoso
me traz o seu perfume
de tão cheiroso
minha visão fica esfume

Então ela levanta
e para mim sorri
meu coração se encanta
e eu quase morri

Com olhar a acompanho indo
e como um bobo fico sorrindo.

domingo, 17 de agosto de 2014

Formatura - Emoções diversas

No meu tempo, a “Formatura” era uma coisa estranha.  Era uma solenidade cansativa onde os formandos entravam em fila, se posicionavam e depois eram chamados um por um. Então, vinham os discursos dos oradores, paraninfos e etc...
Como o nome está dizendo, era muito formal e com muita seriedade. Ao sermos chamados, cumprimentávamos os professores na bancada, recebíamos o canudo e voltávamos para o lugar.  As fotos eram tiradas do jeito que dava com a gente em movimento.
Os amigos e os parentes iam para dar moral, mas era uma coisa tão maçante para eles que um dos meus colegas formandos disse:

domingo, 10 de agosto de 2014

Cotidianos - o choro


Em um lindo parque mais ou menos as 4h00 da tarde...
– Olha lá Cleusa.! Não é o Dionísio filho do Pedrão?
– Ele mesmo.
– Chorando que nem bebê.
– Pois é Josefa. Que coisa feia. Chorando por causa do carro.
– Carro?
– É! Brigou com o pai por causa do carro.
– Que infantil.
– Tem uns que não sabem ser homem.
– E aquele menino chorando ao lado?
– Ah! Deve ser coisa de criança.
Dionísio queria o carro para ir à balada. Brigou com seu pai porque este emprestou para outra filha que tinha prova na faculdade. Dionísio saiu revoltado e sem rumo de casa. Ao passar pelo parque encontrou um menino sentado no banco que chorava muito.
– Por que está chorando, menino? – perguntou Dionísio.
– Porque domingo é dia dos pais – respondeu ele.
Dionísio sem entender, respirou fundo e disse:
– E dia dos pais não é bom?
– Seria, se eu tivesse um.
Então, Dionísio sentou ao lado dele e chorou também.

domingo, 3 de agosto de 2014

Piquete - acerto final

        Sugiro que seja lido  antes  Piquete - a luta e Piquete - a confissão

Percival Cândido acorda em uma sala escura, com apenas um foco de luz sobre si. Apesar de confortavelmente sentado em uma poltrona está meio zonzo, e ao abrir os olhos e vê que a situação não é favorável. A frente dele está uma bela mulher e ao redor quatro homens consideravelmente fortes.
– Posso saber por que estou aqui? – Pergunta Percival.
– Saberás – reponde a mulher.
– Uma mulher tão bonita quanto você não precisava mandar estes gorilas me pegarem no meio da rua e me trazerem para cá, né? – Percival dá gargalhadas e continua – eu teria vindo de bom grado.
– Vejo que está recobrando a consciência. E acho que você não está em condição de fazer gracinhas, não é mesmo? 

domingo, 27 de julho de 2014

Piquete – a confissão

          Sugiro que seja lido antes Piquete - a luta.

– Oi!
– Oi. Quem é a exuberante gata?  
– Pode me chamar de Bela.
– Uh! O nome faz jus a pessoa.
– Obrigada.
– Já vou dizendo que não sou uma boa companhia.
– Por quê?
– Já faz tempo.
– Mas o que aconteceu?  
– Deixa para lá. O que você quer com um bêbado como eu?
– Já faz alguns dias que te vejo sozinho neste bar e bebendo muito. Aí eu me pergunto: Por que um homem tão bonito, jovem com saúde, está se estragando deste jeito? 

domingo, 20 de julho de 2014

Piquete – a luta

Felipe Lima, após se formar em Medicina, retorna à sua cidade natal, Senópolis, com o objetivo de melhorar a saúde da população. Encontra a namorada de infância, Mariana, que recentemente rompera seu compromisso com o noivo e reiniciam o antigo relacionamento.
Inteirando-se da situação da única empresa de grande porte da cidade percebe que a Mega S.A. lucra muito, mas oferece poucos benefícios. Tenta em vão conversar com os proprietários. Então, se dispõe a ajudar o sindicato na luta por melhores condições de trabalho. No início foi difícil, mas ele foi ganhando a confiança da população. 

domingo, 13 de julho de 2014

Não acredito em copa comprada ou vendida

O Brasileiro realmente não sabe perder. É difícil aceitar uma derrota, principalmente quando é como a que foi para a Alemanha.  Já estão inventando que o Brasil vendeu a copa.
O mais incrível é que baseado na entrevista de um cronista defasado e decadente de uma emissora de TV a cabo com audiência mínima, onde ele expõe uma teoria conspiratória de entregas de copas, o povo achava que a copa estava comprada para o Brasil. 

domingo, 6 de julho de 2014

Um caminhão em minha vida


Quando o meu amigo Osni R. Custódio postou no Facebook esta foto, que foi tirada em Florianópolis, não lembro a data, eu lembrei de uma faceta em minha vida que completou 16 anos a dois meses.
Por causa de um caminhão exatamente como este, o amigo aqui quase que não conta esta história.
Eu morava em Porto Alegre e trabalhava na cidade vizinha Canoas.          

domingo, 29 de junho de 2014

A princesa guerreira

Numa época distante, quando a terra e a honra eram defendidas com arcos, flechas, lanças, escudos e espadas, em Genki, um reino da antiga Ásia oriental, governava o rei Kaketsu. Ele tinha apenas duas filhas, Tiemi, a mais velha, e Imoto. 
O rei Kaketsu reinava com justiça e protegia os seus domínios e seu povo. Sua maior preocupação era o inimigo Akuma o rei de Hidoi, reino vizinho. Akuma queira apoderar-se das terras de Genki que eram e férteis e ricas em ouro. 

domingo, 22 de junho de 2014

2 Anos! Oba!



Olá queridos leitores.

Hoje, o H. E. e O. P. completa 2 anos de existência. 
Parece que foi ontem que eu ... ah – risos – deixa para lá. Quem quiser saber clique aqui => O Início
Para comemorar estes 2 anos eu repeti uma brincadeira, que já fiz uma vez, homenageando os blogueiros que na época comentavam aqui. Para quem não é blogueiro eu explico, se não, é possível que não entendam nada. É um jogo de palavras com o nome dos blogues, que são os respectivos links. Quem quiser conhecer os blogues é só clicar nos nomes coloridos. 

domingo, 15 de junho de 2014

Copólatra, eu sou!

E começou a copa!
Entretanto, antes de qualquer, coisa vamos a um esclarecimento.
Eu gosto de copa do mundo, não, amo! Eu sou um copólatra assumido e mesmo que inventem um grupo de apoio tipo copólatras anônimos, eu não vou me tratar. 

domingo, 8 de junho de 2014

Amor adolescente

Joana era uma menina impulsiva, moderna e sensual cujos pecados eram apenas a jovialidade e sua vontade intensa de viver. Ela tinha apenas 16 anos e de longe passava a ideia de ter um relacionamento sério. Seu corpo esbelto, seus cabelos vermelhos naturais e sua altura acima da média chamavam a atenção tanto de homens maduros como de garotos de sua idade.
Joana curtia os flertes e os namoricos sem compromisso.

sábado, 7 de junho de 2014

Fernandão, o ídolo eterno





Difícil falar numa hora destas. 
Não há como não ficar triste.
Ele participou das maiores alegrias dos Colorados, mais do que isto, foi o comandante destas proezas. 
Capitão do campeonato da América e do Mundial.
Predestinado a fazer o gol 1000 dos Gre-Nais, em sua estreia, entrando no meio da partida. 
Goiano de nascimento, Colorado de coração.
Identificado com o clube, virou ícone para a nação vermelha.
Um grande líder que deixou sua marca no Internacional.
Virou exemplo da paixão colorada. 
Suas cabeçadas certeiras nunca serão esquecidas.
Viaje em paz, Fernandão, e obrigado por tudo.

domingo, 1 de junho de 2014

Saudade Cotidiana


Belo dia de sol amanheceu,
E uma bela manhã prometeu,
mas,nada disto é grandioso
e até fica muito tedioso.

domingo, 25 de maio de 2014

E tudo começou no trânsito

Chega o verão, e com ele as fortes chuvas que castigam as ruas da grande metrópole. Um acidente ocorre em uma importante avenida, e muito longe dali sente-se as conseqüências. O trânsito que em dia normal é complicado, neste dia é impraticável. O engarrafamento vai muito além da imaginação e distante do local do acidente. Ricardo, impaciente, não consegue ver o início da fila de automóveis, na qual está parado.
Em meio a buzinação e tanta indignação dos motoristas, ele consegue dar risadas ao lembrar-se da última piada contada por um colega de trabalho pouco antes de entrar no inferno rodoviário. Então, percebe que o carro ao lado está sendo conduzido por uma bela mulher. Ela repara nas risadas dele e sorri. Como nada anda, ele acha que o local é apropriado para um bom papo. Baixa o vidro e chama a atenção dela para que faça o mesmo. A chuva não está mais tão forte e permite que eles iniciem uma conversa. Após baixar o vidro, ela diz:

domingo, 18 de maio de 2014

Manifestações pacíficas?

Eu nunca disse que não foi um absurdo o que gastaram com os estádios, até mesmo porque, mesmo sendo um "copólotra", tenho a consciência de que o investimento aplicado em um evento como este é estratosférico.
Sei também que houve desvios de verbas e jogos de empurra como muitos negócios realizados no Brasil.
O que eu não consigo entender são estas manifestações agressivas e insistentes contra algo, que vai acontecer de qualquer forma, em pró de educação e saúde, uma vez que ambos estão, há anos, sendo sucateados, independentemente de governo.
Por que esta reclamação somente agora?
O que eu quero dizer é que: Com copa ou sem copa, não há e não haverá saúde e educação neste país. O dinheiro sempre foi gasto com “outras prioridades” e nós ficamos na mão do SUS falido e de escolas caindo aos pedaços com professores muito mal pagos. E os protestos sobre tais assuntos nunca tiveram proporções que estão tendo hoje.
Não quero fazer deste post um comício político, muito menos tirar o direito de o cidadão reclamar, mas sou totalmente adverso a estas manifestações mesmo sendo elas contra um governo que julgo medíocre e oportunista. Porém, saquear lojas, queimar carros e ônibus e provocar quebra-quebra não vai resolver o problema de ninguém. Muito pelo contrário vai agravar problemas de pessoas que nada tem a ver com isto.
Governistas não usam ônibus.
Eu me atrevo a dizer: Se eu fosse dono de uma destas lojas, ficaria esperando lá dentro com munição pesada. E azar daquele que entrasse. Poderia ser alguém com antecedentes criminais, sacristão de igreja, pai de família, o que fosse. Se entrasse para saquear ia levar chumbo.
Não dá para aceitar uma manifestação, que deveria ser pacífica, terminando em incêndios e saques em bancas de jornal, lojas, concessionárias e outros.
Será que este pessoal não se deu conta de que estão agindo tais quais as pessoas contra quem estão protestando?
Já me antecipando a uma possível pergunta, eu digo: Um político rouba milhões porque tem oportunidade de roubar milhões, o larapinho rouba uma TV LCD porque foi o que apareceu de momento.
Alguém parou para pensar que aquela banquinha insignificativa de revistas era o ganha-pão de um trabalhador?
Sempre dirão: "É a minoria”, “É o Black Bloc”.
Pode até começar com eles, mas depois muita gente se aproveita.
Já perderam a razão e o significado do idealismo gerado pelo “gigante acordou” nem existe mais. Estas atitudes descaracterizaram toda causa.
Depois a polícia cai de pau e aí é choradeira. Eu não sou inocente em achar que a polícia brasileira é preparada, mas os caras também tem medo. Alguém já pensou nisto?
Sabem o significado do “O ataque é a melhor defesa”?  
Esta violência toda também não justifica, mas eu não gostaria de estar na pele dos policiais enfrentando uma multidão que já sai de casa em conflito.
Isto tudo virou guerra. E na guerra a lei é do mais forte, ou melhor, é de quem tem o maior poder bélico.
E depois, não precisamos de máscaras se não vamos fazer nada errado.
O que eu mais me admiro, é certo apresentador de telejornal se declarar favorável ao quebra-quebra. Será que este cidadão, mesmo sendo de uma emissora quase falida, não sabe que é um formador de opinião e que não deveria incitar violência? Eu acho que ele deveria ser preso. Eu gostaria de saber a opinião dele se tivesse perdido um filho trabalhador por causa de um rojão, tivesse um carro incendiado ou uma banca de jornais destruída.
Bom, como disse lá em cima, eu sou "copólotra", e não pelo Brasil, que torço, mas se perder não estou nem ai, e sim pelo evento seja ele na África, Ásia, Europa ou aqui. Isto não significa que eu concorde com os absurdos que foram ditos a favor dos estádios, muito menos com a fortuna que foi gasta, mas sim que vou ver todos os jogos que puder, e não fui hipócrita de ir em qualquer manifestação mesmo achando que a ideia original é legítima. Uma ideia que se perdeu entre tantos brasileiros que mudaram o foco da ideologia para se dar bem, uma pena.
E depois, dos estavam presente nestas badernas, tem muitos que se utilizam de TV a gato, compram DVD pirata, não avisam o garçom quando este esquece de marcar algo na comanda, não devolvem o troco que receberam a mais e pior, irão assistir a copa e votarão no mesmo governo em troca de pequenos benefícios. 

domingo, 11 de maio de 2014

Não somos macacos

Na semana passada eu publiquei no Facebook um manifesto sobre a campanha “Somos todos macacos” perguntando: – Será que os negros estão gostando?
Esta campanha surgiu em virtude do episódio, que girou no mundo e todo mundo sabe, sobre o Daniel Alves comer a banana que atiraram para ele em um estádio de futebol na Espanha.
Eu sei que é um assunto pra lá de debatido, mas as minhas postagens são semanais, aos Domingos, e também somente agora consegui me dedicar a este acontecimento.
Entretanto, vou comentar antes sobre o infeliz vexame do presidente de um clube americano de basquete, cujo nome não merece ser mencionado. Portanto vou chamá-lo de Sr. Trouxa.
Para quem não sabe, vazou para imprensa uma conversa telefônica do Sr. Trouxa com sua ex-namorada onde ele diz a ela coisas bárbaras como não posar para fotos com atletas negros e não levar negros para os jogos de seu time.
O técnico do seu time é negro. Vários jogadores do seu time são negros. Ou seja, são os negros que dão a ele o que ele precisa. É ou não é um Trouxa. E depois, sabemos que os maiores ídolos do basquete americano são negros.
Se o cara é racista porque se envolve com o basquete? Ah! Grana! Claro! Têm muita grana na parada. Então, este filho de uma Maria Madalena não arrependida deveria ter mais respeito com seres humanos que fazem todo o trabalho para ele poder contar dinheiro.
Ele foi banido do basquete e vai pagar uma multa caríssima. Pelo menos lá terminou em caviar e não em pizza, mas deveria ter virado em quentinha na prisão.

Voltando a campanha brasileira... 
Eu que sou branco não gostei, imagina os negros que sofrem bullying o tempo todo?
NÃO SOMOS MACACOS! Com todo respeito aos símios.
Negros, brancos, índios, nipônicos, etc, NÃO SOMOS! Nem os idiotas que atiram bananas no campo. São trogloditas, “neanderthalensis”, imbecis, acéfalos, filhos de uma executiva de esquina, o escambau, mas não macacos, até mesmo porque neste caso estaríamos ofendendo os macaquinhos que nada tem a ver com isto.
Eu soube que foi ao ar, no Altas Horas, no sábado daquela semana, uma entrevista com o Daniel Alves dizendo que não gostou da campanha. Eu não vi o programa, mas vi a entrevista, no Domingo pela manhã, que ele deu para o Galvão Bueno, que foi gravada bem antes do jogo fatídico. O Galvão perguntou sobre o racismo no futebol e ele respondeu simplesmente que:
– Está acostumando com isto, pois há 11 anos, na Europa, vê este tipo de coisa.
– Ignora, porque não quer dar ênfase ao racista. Dando proporções ao fato o racista     se sente vitorioso.  Ignorando, ele perde.
– Que para saber se a pessoa é racista mesmo, é necessário ver a vida dela no cotidiano, que embora ele não concorde e não defenda, a emoção no estádio fala mais alto e as pessoas fazem coisas de momento.
Eu até posso concordar com ele, mas acho que sua força interior é muito maior que a minha, pois ele que sofre o ato e eu que tenho vontade de enforcar o filho de uma bela senhora trabalhadora sem registro em casa noturna.
Neste mesmo programa, eu também vi entrevistas de jogadores negros falando sobre o assunto e percebe-se pelos seus semblantes que estão profundamente chateados, tristes e abatidos. Eles se sentem humilhados mesmo podendo gastar mais de papel higiênico do que os agressores ganham  em uma vida.
Caramba! Isto deveria ser triste para toda a raça humana.
O pior de tudo é que tem gente que age desta forma e acredita em Deus. Pois bem, se Deus criou o negro é porque ele tinha uma razão para isto, assim como criou as demais raças. Eu acredito que é para nós aprendermos a viver com as nossas diferenças e que cada ser humano ter o direito de fazer suas conquistas e buscar seus sonhos.
Já tem até gente fazendo correr nas redes sociais que foi uma farsa e querendo até envolver outras celebridades. Eu não acredito nisto. Não creio que o Daniel Alves, titular de um dos times mais poderosos do mundo precise disto. E digo ainda que, ao pegar a banana e comer ele deu um tapa de luva na cara dos cretinos e em silêncio disse: “To cagando para vocês, seus otários”.
Parabéns Dani Alves, sua atitude mostrou sua grandeza.