segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

O peixe



Agostinho é um cara legal, simpático, boa praça e muito divertido. Como é jovem adora uma farra, principalmente com mulheres. Não consegue se concentrar em nada quando vê um rabo de saia. Dizem os amigos que ele nunca sai das baladas solteiro. Ele é do tipo que “casa” na festa e se “divorcia” no dia seguinte. A sua lábia é boa e com facilidade transforma as mulheres em presas.
Entretanto, um dia ele perdeu o instinto caçador. Foi quando ele conheceu Amanda.
Amanda, moça linda, alta, corpo escultural e dona de uma simpatia que encanta qualquer homem, o deixou de quatro desde que foi contratada para trabalhar na mesma empresa que ele. Era conhecida como lábios de mel, e com ela, nada conseguia, por mais que ele tentasse.
Amanda era a mancha branca na negra ficha de Agostinho.
Ele passou dias tentando conquistar a moça, que por sua vez, não caiu na conversa do malandro.
Como ele ficava atento a qualquer movimento dela, na manhã da véspera do réveillon mais aguardado do século, dia 31 de dezembro de 1999, Agostinho ouviu sua conversa ao telefone...
− Sim, a festa vai ser lá em casa, mas tá difícil conseguir o peixe para a ceia. Não há mais peixes para comprar. Eu sou capaz de dar um beijo no primeiro que aparecer lá em casa com um peixe.
O malandro, cujo pai era amante de frutos do mar, percebendo uma grande oportunidade de mudar a sua sorte, ligou para casa:
− Alô Pai! Tem um peixe no freezer?
− Tem dois de 5 kg?
− Vai usar?
− Não.
− Beleza! Eu quero um. Tira do freezer para mim.
 Ao meio dia, ele saiu do trabalho, passou na loja de perfumes importados comprou o mais caro e depois foi a uma loja de roupas de marca. Adquiriu as tradicionais roupas com as cores do ano para a virada e depois, com o último suspiro do limite de seu cartão de crédito, abasteceu o carro. Em casa, deu R$ 50,00 para a empregada temperar o glorioso peixe e iniciou o preparo para a noite surpresa. Primeiro uma relaxada e depois a produção. Só que o malandro dormiu demais e ao abrir os olhos teve aquele estalo de quando a gente se lembra de alguma coisa importante que deveria ter feito e não fez.
− Festa na Amanda – gritou ele.
Correu para o chuveiro, tomou um banho rapidamente, colocou o perfume e as roupas novas, foi para a garagem e seguiu para a casa da Amanda. Quando ele estava a duas quadras do destino, se deu conta que faltava alguma coisa.
− Merda! O peixe!
Ele voltou para buscar aquilo que seria a chave das portas de sua felicidade. Só que o trânsito para o lado da sua casa já estava complicado e ele perdeu mais de meia hora para chegar. Finalmente, com o peixe, ele conseguiu tomar rumo da noite que imaginava ser a melhor de sua vida. Ao chegar, na maior cara de pau, na casa da linda moça, tocou a campainha e ela abriu a porta. Ele, com os braços estendidos, apresentou o peixe e disse:  
− Surpresa!
− Ai que fofo. Ficou sabendo do meu desespero, mas a Glorinha trouxe um peixe.  Não tem problema. Entre! Vamos assar este também.
Ao entrar ele deu de cara com mais dez mulheres, e detalhe só mulheres. Todas olhando para o peixe em suas mãos e dando sorrisinhos disfarçados.
Totalmente sem graça e sem saber o que fazer, ele entrou meio desconfiado já pensando que não foi uma boa ideia furar a festa que nunca imaginou ser feminina. Enquanto ele pensava no beijo que perdeu porque a Glorinha chegou à sua frente, o seu presente foi para o forno, mas como já era perto da meia noite a ceia iniciou com o peixe daquela que ele queria arremessar pela janela.
− Nem tudo está perdido – pensou ele – afinal estou aqui com um monte de mulheres.
Porém, o ditado que diz “quem quer muito não ganha nada” funcionou com ele. Ele queria a Amanda, logo não poderia se engraçar com outra moça para não queimar o filme. No entanto, Amanda com tantas amigas convidadas para conversar não conseguia dividir a atenção com o penetra. O nosso amigo ficou ainda mais frustrado porque o peixe da Glorinha, que também tinha um tamanho respeitável, deixou todas as meninas saciadas fazendo com o que seu esforço fosse em vão, pois o seu peixinho de 5 kg já suculentamente assado sobrou inteirinho. Porém, Agostinho não quis perder a viagem e entre uma taça de champanhe e outra ele dava uma garfada no suculento. 
Resumindo a noite de Agostinho foi peixe e champanhe, champanhe e peixe. 
Ele bebeu tanto que caiu no sono atrás do sofá da sala da Amanda que também em estado alcoólico sem dar condições de raciocínio foi para seu quarto dormir. Duas amigas foram para o quarto de hóspedes, pois as outras já tinham ido embora.
Ao amanhecer, para ele é claro, porque já era 11 da manhã, meio perdido, tentando lembrar a placa do caminhão que teria passado por cima, aguardou aquele estalo acontecer novamente e...
− Amanda! Estou na casa da Amanda.
Só que não havia ninguém e ele estava preso na casa. Amanda não tinha telefone fixo. Então, ele procurou o celular que nem imaginava onde estava. Tudo que sentia era aquele cheiro do peixe que a partir daquele momento ficou insuportável. Mesmo com aquela fominha que dá ao acordar, e a geladeira desprovida, Agostinho não podia pensar em qualquer coisa que nadasse. Ele achou um molho de chaves e experimentou todas na porta sem êxito. Quando o desespero ia se instalar ele tropeçou no celular que estava no chão embaixo de uma almofada. Assim, ligou para a Amanda:
− Oi fiquei preso na tua casa.
− Como assim?
− Não sei. Só sei que estou aqui e to preso.
− Sim! Eu fechei a porta. Achei que tinha ido embora. 
− É uma longa história. 
 Pior que estou longe, muito longe.
 Achei um molho de chaves.
− Ah! Uma delas abre a janela.
Ele conseguiu abrir a janela, pulou e se mandou para casa.
Ao chegar cansado, com dor de cabeça e a fim de comer uma coisinha qualquer, encontrou sua mãe sorridente.
− Filho! Não achei que viria para o almoço, mas deu sorte. Olha o que a mamãe fez para você.
E ela mostra um peixe assado. 

Esta é uma obra de ficção. Qualquer semelhança é muito próxima da realidade.

37 comentários:

  1. Adorei a história!!!Coitadinho do Agostinho!!
    Bjossss

    ResponderExcluir
  2. HAHA, tadinho de Agostinho...
    Confesso que tava torcendo pro final feliz dele com a Amanda. deveria ter continuação!!
    bjs bjs
    http://oicarolina.wordpress.com

    ResponderExcluir
  3. Hahahaha... Esse aí nunca mais come peixe assado hein... que pena, o plano foi muito bem feito só não foi bem executado, ele mesmo ferrou tudo.

    ResponderExcluir
  4. Nossa, coitado de Agostinho! Que reveillon trágico...kkkkkkkkkkkk. Adorei!

    Beijão!

    ResponderExcluir
  5. kkkkkkkkkk' Que tragic! kkkkkkk'
    Gostei do texto!
    Obrigado por comentar no meu blog.
    Abraços
    Gabriel - Corações de Neve

    ResponderExcluir
  6. Nossa, é pra nunca mais querer comer peixe na vida... hahahaha! Mas também, esse cara dormiu nos momentos mais cruciais do plano dele, aí fica difícil mesmo...kkkkk

    ResponderExcluir
  7. Hahaha, esse traumatizou viu! Gostei da história, muito divertida.

    ResponderExcluir
  8. Oi Claudio
    É como diz o ditado mesmo: "Quem tudo quer tudo perde". Ele se deu mal kkkkkk. Muito bom!
    Obrigada pelo carinho da visita.
    Bjos. Fique com Deus!

    ResponderExcluir
  9. Oi Cláudio, boa noite!

    Obrigada pela visita e pelos comentários!
    Quanto ao post sobre o Pedrinho, estou aproveitando bastante sim!
    Me divirto muito com ele. É uma benção que Deus me deu...
    Se quiser saber mais da nossa história, acesse o marcador “Meu filho Pedrinho”.
    Quanto à bola, não bato um bolão não :-) Foi só pose pra foto...rsrs

    Em relação ao post “Saudade”, eu só descobri esse ano que existe um dia específico.
    Mas é verdade; o dia da saudade é todo dia...

    Adorei a sua história do peixe!
    Muito engraçada!! Coitado do Agostinho...KKKK!!

    Um abraço, que Deus o abençoe.
    Adelisa.
    http://adelisa-oquerealmenteimporta.blogspot.com.br/

    Um

    ResponderExcluir
  10. Caros;

    Eu sempre procurei responder comentário por comentário, mas o tempo tá ficando escasso e também, meus comentários estão mascarando a estatística do blogue. Logo, farei um comentário resumão aqui agradecendo todas as vistas. Todas as visitas são importantes e enriquecem o blogue, mas os comentários é que dão alma.

    Muito obrigado.

    Beijos e abraços, cada um pegue os seus.

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  12. Coitado do Agostinho ahauahuh
    Mas confesso que fiquei com vontade de uma bom peixe assado. Já que entrou em meu blog e disse que homem entende de culinária, te desafio a colocar uma boa receita ahahahahah
    O que acha?
    Já respodi suas objeções em meu blo (risos).
    Até mais,
    Vanessa Rosa
    www.rosachiclets.com.br

    ResponderExcluir
  13. Esse é daqueles textos que tira qualquer mau humor, desventuras em série. Como todo mundo sabe, não se pode ter tudo, o Agostinho aprendeu isso de uma forma nada agradável. Muito bom mesmo, bem escrito, ri bastante. Pobre dele, nunca mais vai conseguir comer peixe sem lembrar-se da fatídica história.

    Abraços.
    www.eraoutravezamor.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. certos trechos da pastagem me identifiquei muito ,principalmente no inicio kkkkk tirando baladas rsrs

    ResponderExcluir
  15. Esse Agostinho hein. bem feito pra ele kkkkkk


    http://inspiracaoentrelinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. kkkkkkkkkkkkk pow sacanagem !!! :)
    Em todo momento eu torci pelo Agostinho . . . ate o ultimo momento, pensei que sim, que ele ia ficar com a Amanda.

    Mas é assim mesmo, a maioria das vezes, as coisas acabam totalmente ao contrario do que desejamos . . . rsrsrs !

    Bjos
    Carol
    prosaeperfume.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  17. asuahushaus
    Eu ri horrores!
    Ninguém merece né?
    Já dizia meu avô "Pra quê fazer planos? Eles dão tudo errado mesmo..."
    kkk

    ResponderExcluir
  18. Seja parceiro do blog Guerra no Papel!
    http://www.guerranopapel.com/p/parceiros_31.html

    Aproveite e participe do concurso!
    http://www.guerranopapel.com/2013/02/concurso-seublogcom.html

    Abraços!

    ResponderExcluir
  19. Poxa que azarado ...
    Mas acho que é por aí mesmo né? rsrs
    As vezes tudo dá errado ...

    Gostei, parabéns bem escrito.

    Abçs

    ResponderExcluir
  20. kkk essa foi boa em.

    Vim retribui sua visita.

    Beijos.
    www.louca-por-make.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  21. Poxa até eu ficaria todo nervoso pra achar o molho de Chave e uma garota trazer o peixe mais rápido do que eu kkkkk.

    Fiquei impressionado com sua forma de deixar a pessoa paralisada com sua historia de ficção rs.

    Claudio obrigado pelo seus comentários e sempre gosto de vir aqui.
    abs

    ResponderExcluir
  22. ameii a história!
    Beijos!

    www.fashionfrisson.com

    ResponderExcluir
  23. Nossa! Meu estômago embrulhou com tanto peixe. rsrsrsrs
    Uma narrativa deliciosa de ler.
    Bjoks

    ResponderExcluir
  24. Muito legal, tadinho do Agostinho. xP



    Visita lá: http://limaounada.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  25. hauhsuahsuashaus
    bom, nem tudo na vida do Agostinho são flores, né?
    Bela história!

    ResponderExcluir
  26. Tadinho do peixe!!!Ele sim levou a pior!!!
    bjoss

    ResponderExcluir
  27. Maga show em! haaaaa
    cada vez seus textos estão melhores!!
    Hasta!

    ResponderExcluir
  28. ô tadinho :/ se deu mal né :~
    muito bom o texto!
    :*

    Coruja Essência

    ResponderExcluir
  29. hihi amei! amo as suas historias :D
    abraços =*
    http://maristelasaldanha.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  30. Agostinho vai pensar duas vezes antes de comer peixe. Traumatizou, rs. Belo texto Chamun. Abraços.


    O site mudou de endereço, acesse leaodegaza.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  31. Olá, Caudio.
    Ótima história.
    Creio que todo caçador tem seu dia ou noite em que nada dá certo.
    Abraço.

    ResponderExcluir